sábado, outubro 31, 2015

CAPÍTULO II

— Está pensando em me contratar? Oh, não! Eu jamais poderia...
Ele ergueu a mão e sacudiu a cabeça em negativa com veemência.
— Claro que não.
Confusa, Vanessa mordeu o lábio e tornou a encará-lo.
— Se não quer me contratar como babá, o que deseja? — ela perguntou, a curiosidade exacerbada diante do nervosismo dele. Zac sempre fora um homem forte como o próprio pai dela, mas ora parecia que ia desfalecer.
— Você está bem?
— Como estão suas irmãs?
— Estão ótimas — Vanessa respondeu, ainda mais confusa.
— Soube que Ashley casou-se e mora em Denver.
— É isso mesmo. Nem ela, nem Stella pretendem voltar a morar aqui — ela disse. — Perdoe-me, mas não estamos fugindo do assunto de sua visita?
— Não exatamente. — Ele inclinou-se para frente, e apoiou os cotovelos sobre os joelhos.
— Nossos ranchos são vizinhos. Pelo que sei, suas irmãs não se interessam pela vida no campo. Você não tem herdeiros nem marido.
— O rancho não está à venda — ela anunciou friamente, e levantou-se. — Minhas irmãs confiam em mim. Eu administro o rancho por elas, e não pretendo vendê-lo. Nem mesmo agora que meu pai morreu.
— Não quero comprá-lo.
Vanessa surpreendeu-se e ficou estática. Não estava entendendo mais nada.
— Então, o que deseja?
— Quero que se case comigo. 
Atônita, Vanessa o encarou, incapaz de se manifestar. Abriu a boca completamente chocada.
— Isto é um absurdo!
— Ouça-me — ele pediu em um tom de voz que a intimidou. Zac a observou enquanto sentia palpitar o peito. Não tinha como voltar atrás. Olhou para Aurora em busca de incentivo, e voltou sua atenção para Vanessa. Esta o encarava com os olhos arregalados. Certamente, não fosse o choque, ela o teria agredido fisicamente.
— Preciso de uma mulher na minha casa. Mas não quero uma esposa no sentido literal. Necessito de uma mãe para Aurora, alguém que seja inteligente, forte e bondosa.
Vanessa enrubesceu e piscou. Como ele podia saber que ela possuía todas aquelas qualidades?
— Você não me conhece — ela sussurrou.
— Eu a conheço desde que nasceu, como também deve me conhecer. E perguntei a outros o que não sabia.
Os olhos de Vanessa faiscaram. E ele se pôs a falar novamente antes que ela pudesse retrucar.
— Podíamos comandar nossos ranchos em conjunto. Você se encarregaria de arrumar uma babá para Aurora, e de sua criação. Em troca, eu a ajudaria, e você se tornaria sócia de meu rancho. Estou disposto a lhe dar uma parte dele.
Em silêncio depois do choque, Vanessa refletiu como responderia. Constrangida, passou a mão na testa.
— Isto é um disparate! Arrume uma babá e uma cozinheira.
— Já fiz isso, e não funcionou.
— Bem, tente outra vez — ela insistiu, impaciente. — Está acostumado a contratar homens para o serviço do rancho. Com a babá será a mesma coisa. Por que não funcionou? 
Ele pareceu desconcertado.
— Até agora não encontrei nem uma com jeito de avó, e as outras, bem... — Os olhos azuis encontraram os de Vanessa. — Sei que não sou tão atraente, mas até o momento, todas as babás que arranjei queriam se casar comigo.
— Por Deus, case-se com uma delas!
— Elas querem um casamento de verdade — ele disse. — Elas querem mais do que eu posso oferecer. Jamais amarei outra mulher. — A voz de Zac ficou embargada pela dor, como se lutasse contra a emoção. — Não quero me casar por amor. Não poderia suportar a dor da perda novamente.
— Sinto muito — ela disse, tocada pelo sofrimento sincero dele.
Ele estremeceu, e alisou os cabelos da filha. Vanessa ficara chocada apesar de entender a dor de Zac. Obviamente, ele julgava que ela se contentaria com um relacionamento sem parte física ou emocional, apenas supervisionando a administração do lar. Era um elogio e ao mesmo tempo uma afronta. Não podia parar de pensar nas palavras dele, "inteligente, forte e bondosa". Vanessa contemplou com ternura a criança adormecida.
— Não sei nada a respeito de crianças.
— Não precisa. Conhece tudo sobre bezerros e potros e sabe como administrar um rancho. Pode contratar uma babá. Com você como minha esposa não será um problema. Juntos faremos um bom acordo de negócios. Terá mais terras...
— Você também.
— Sim, é verdade — ele respondeu. — Você não tem herdeiros. O único risco é que um dia poderá apaixonar-se por outro e querer se casar. Assim mesmo, poderíamos anular nosso casamento e dividir os ranchos de novo. Um pacto pré-nupcial poderia proteger os interesses de Aurora. Também não gostaria que ela sofresse por algum escândalo, mas estou certo que seria discreta.
— Isto é ridículo! Vou fazer um anúncio e arranjar uma babá para Aurora. Esqueça o casamento.




--------------
Oii de novo :D
Como prometido aqui está mais um capítulo!!
Como a Vanessa pode negar a se casar com um homem que nem o Zac hein!? Ela tem que mudar de ideia....
Será q ela muda de ideia ou eles vão mesmo conseguir uma babá pra pequena Aurora??
Comentem aí...
Estava com saudades de ler os comentários de vcs... :)
Beijooos 

5 comentários:

  1. A Vanessa tem que aceitar
    Ela não pode deixar o Zac escapar kkkkk
    Posta logo amr
    Xoxo

    ResponderExcluir
  2. Nossssa e agora a Vane vai aceitar???posta mais logo por favor. Bjoss

    ResponderExcluir
  3. que bom que você voltou já tava com saudades,ja vi que essa fic promete,posta mais bjs bjs

    ResponderExcluir
  4. que bom que você voltou já tava com saudades,ja vi que essa fic promete,posta mais bjs bjs

    ResponderExcluir
  5. Que bom que voltou !!! A fic promete ! Estou amando ❤❤❤
    Posta maisss
    Bjsss amoree

    ResponderExcluir