segunda-feira, novembro 02, 2015

CAPÍTULO III

Zac inclinou-se para frente e passou os dedos longos através dos cabelos dela. Vanessa o encarou, e os olhos azuis lhe cativaram a atenção.
— Eu sei que a surpreendi. Estou desesperado, mas tive tempo suficiente para refletir. Pense na minha proposta. Pode ser vantajosa para você. Precisa cuidar de sua avó. Teve um ano difícil e, com a doença de seu pai, acumulou muitas contas. Tem de pagar a faculdade de medicina de Stella, também.
Aborrecida, Vanessa franziu a testa.
— Esteve investigando minha vida — ela reclamou, enquanto refletia sobre tudo aquilo. Zachary Efron queria casar-se com... Vanessa Hudgens, a solteirona do condado de Clayton. Impossível!
— Todo mundo sabe de tudo neste lugar. Esta comunidade é muito pequena. Todos se conhecem. Você mesma sabe tudo a meu respeito.
— Talvez, mas eu não o conheço. Não podemos nos casar. Somos dois estranhos.
— Não estou propondo um casamento de verdade. Se quiser a parte física, poderei satisfazê-la, eu suponho, mas meu coração está morto.
Agitada, Vanessa levantou-se e foi até a janela. Seria impossível aceitar a proposta de Zac. Não podia imaginar-se casada com ele, muito menos em uma relação platônica.
— Zachary, sinto muito, mas tenho minha vida. — Ela voltou-se a ele. — Não sei nada sobre bebês, nem sobre como ser uma boa esposa. Entretanto, fiquei lisonjeada com seu pedido.
— Nessa, fiquei sabendo que seu pai hipotecou uma grande parte da fazenda. Está endividada.
— Puxa! Ninguém desta cidade consegue manter a boca fechada, do banqueiro ao...
— Venha jantar esta noite comigo — Zac disse, interrompendo-a. — Vamos nos conhecer melhor.
Sem saber o que dizer, Vanessa o encarou em silêncio.
— Um simples jantar, Nessa. Não está com medo de mim, está?
— Não! Está bem — ela respondeu, sentindo palpitações. Jamais tivera um relacionamento sério, nunca flertara e também não era dada a encontros casuais. A vida toda trabalhara com homens, mas sem se envolver pessoalmente. Zachary Efron era o oposto. Podia se lembrar dele desde a infância na escola, nos jogos de futebol ou até nos rodeios sempre cercado de companhias femininas. E, claro, conhecera sua esposa, linda e refinada.
— Ótimo. Venho apanhá-la por volta das sete.
Aurora se mexeu na cadeira e soltou um grito. Zac virou-se e a tirou da cadeira de bebê, falando-lhe com uma voz mansa. Vanessa observou os dois. A transformação do homem másculo e forte em pai amoroso. Subitamente, sentiu uma forte atração por aquele homem terno e meigo. Ele abriu a sacola e tirou uma mamadeira, que o bebê aceitou com voracidade, os minúsculos olhos azuis fixos no pai.
— Esta é minha garotinha — ele disse e alisou os cabelos da filha. — Aurora, esta é Nessa. Nessa, esta é Aurora.
— Ela é linda — Vanessa disse. — Nunca tive muito contato com bebês.
— Nem eu, até ela nascer. São surpreendentes — ele disse sem tirar os olhos da pequena.
Ele ergueu o rosto e encarou Vanessa. Sem desviar o olhar, aproximou-se dela. Vanessa sentiu-se descontrolada diante daquela proximidade, o cheiro de loção após barba e talco. Aurora soltava gemidos de prazer enquanto mamava com avidez. Os dedos pequeninos, os longos cílios castanhos, e a pele cor de pêssego.
Vanessa voltou sua atenção a Zac.
— Não seja precipitada — ele disse com uma voz calma. — Venha jantar e conversaremos mais um pouco. Pense em tudo que tem a ganhar... e também no que tem a perder.
— Acho que você será o maior prejudicado. Pode se apaixonar novamente.
Zac a encarou diretamente sem piscar.
— Nunca mais. Eu amava Reese. Com aquelas babás loucas para casar, senti-me como um animal sendo laçado. Mas preciso de alguém para Aurora, e se concordar em fazer isso por ela e por mim, farei o possível para compensá-la.
— É fácil dizê-lo agora.
— Pense em tudo que quer acrescentar ao pacto pré-nupcial. Peça o que quiser, e eu lhe mostrarei quanto estou sendo sincero. — Ele a observou atentamente, o coração disparado. — Encontro você às sete.
Zac se virou, apanhou a sacola e cadeira de bebê e foi na direção da porta.
— Posso ajudá-lo a carregar alguma coisa — ela disse e pegou a sacola e cadeira dele.
Caminharam juntos até a caminhonete onde ele tomou-lhe a cadeira de bebê. Seus dedos roçaram nos de Vanessa, e ela sentiu um arrepio. Por que sentia-se tão vulnerável na presença de Zachary Efron?


---------------------------------
Olá amores, aqui está mais um capítulo!!
Espero que gostem....
Será que a Vanessa não vai mesmo mudar de ideia?
Eeee será que ela já ta começando a se apaixonar pelo Zac?
Como assim Zac? Nunca mais irá se apaixonar? Isso não pode acontecer...
Ele acabar se apaixonando pela Nessa... Ele tem que se apaixonar por ela!!
Até qlqr momento....
Beijooos!!

4 comentários:

  1. Como assim Zac ?? Ele tem que se apaixonar por ela ❤
    Posta mais , bjssss

    ResponderExcluir
  2. Vou morrer aqui
    Tô mega ansiosa pra saber o decisão da V
    Posta mais hj amr, por favooor
    Xoxo

    ResponderExcluir
  3. Cara que capitulo foi esse??posta mais logo por favor eu quero saber o que a Vane decidiu. Bjoss

    ResponderExcluir
  4. Gente foi quase perfeito esse capitulo so faltou a nessa aceitar o pedido mas se ela n aceitar eu to livre ta mesmo q n tivesse podia me chamar eu casaria com ele ate de olhos fechados kkkkk ansiosa por esse jantar deles amei xoxo

    ResponderExcluir