terça-feira, novembro 10, 2015

CAPÍTULO X

Ela se virou subitamente, como se fosse participar de um duelo. As mãos nos quadris, o olhar furioso.
— Vai se arrepender. E se tornar a se apaixonar?
— Não vai acontecer. Eu amava a Reese e jamais amarei outra. Sinto-me morto para o amor — ele disse, sabendo que havia cinco minutos atrás esta declaração teria sido sincera. — A vida no campo já me basta.
— Está enganado. É cedo demais. Dentro de uns seis meses vai sentir-se diferente, e vai querer se apaixonar.
— Então poderemos anular o casamento, e terá todas as coisas que lhe prometi. Peça o que quiser no pacto pré-nupcial. Qualquer coisa. Imponha suas condições e verá como estou falando sério.
Vanessa o encarou e sentiu que podia desmaiar. Estava aterrorizada com a responsabilidade da criança, e muito mais pela possibilidade de viver sob o mesmo teto com Zac.
Ao mesmo tempo, a tentação era imensa. Sentia-se só depois da morte do pai. Seria bom ter um homem dinâmico e resoluto como Zac para ajudar nos negócios. Mesmo que não houvesse oferecido terras e dinheiro, ainda assim a teria atraído. A proposta de casamento, mesmo que platônica, a disposição de pagar-lhe a, hipoteca, dar-lhe segurança e os custos da faculdade de direito... Como poderia recusar?
Com um olhar sombrio, Zac aproximou-se dela. Vanessa sentiu o suor na palma das mãos e um turbilhão de emoções.
Ele se deteve diante dela e tomou-lhe o queixo na mão, fitando-a.
— Você é a mulher que quero e preciso. Peça o que quiser.
— Está sendo muito generoso — ela balbuciou.
— Não acho que precise de tempo para pensar. Sua avó poderá morar conosco depois do casamento. Você vive só naquela casa. O que tem a perder? Tem muito a ganhar. Pode desistir do casamento depois do primeiro ano. Não estou pedindo nada impossível. Um ano passará rápido.
Ela ficou sem palavras, então concordou com um gesto de cabeça.
— Podemos ir ao advogado amanhã cedo. Sua vida irá mudar pouco.
— Oh, não. Uma criança muda muita coisa.
— Mas terá uma babá para ajudá-la.
— Já discutimos isso antes. Sabe bem que adoraria ser mãe de Aurora, se o soubesse.
Ela olhou no rosto de Zac, certamente ele esperava sua resposta. E Vanessa já sabia o que responder. Todos os problemas do rancho seriam resolvidos. A única coisa que a impedia era a pequena criança. Como cuidaria de um bebê? E como não se apaixonar por Zac depois que estivessem sob o mesmo teto?
A ideia a fez estremecer. Ele era bonito, inteligente, dinâmico. Partiria seu coração. E se ele se apaixonasse por outra? Como sobreviveria? E o sonho de ser uma advogada?
— Já deve ter uma resposta — ele disse.
— Não, ainda não — ela rebateu.
— Que tem a perder?
— E se eu me apaixonar por você? — ela perguntou de maneira direta. Por um instante, ele pareceu desconcertado, então esboçou um sorriso.
— Ainda não se apaixonou por ninguém. Mas, se acontecer, estaremos casados. Serei seu marido.
— Mas não irá me amar.
O sorriso de Zac se desfez.
— Não corremos este risco. Não vou me apaixonar novamente. E também não creio que se apaixone por mim, Nessa. É uma mulher prática e não se deixou envolver nestes últimos vinte e seis anos. Não será agora que irá acontecer. Terá suas compensações. Não quer se tornar uma advogada?
— Muito.
— Eis sua resposta. Não irá se apaixonar se tiver um objetivo certo.
Zac sabia o que queria, e pressentia estar prestes a obtê-lo. Aproximou-se e viu como Vanessa parecia cansada. Deu-lhe um tapinha no ombro e tomou-lhe o rosto nas mãos.
— Nessa, podemos fazer muito um pelo outro. Diga que aceita. Por você, por Aurora e por mim.
— Você disse que contratou três babás e as despediu logo em seguida. Enganou-se três vezes. E comigo? Não vai mudar de ideia?
— Não vou me arrepender.
— Não pode ter certeza! — Vanessa ficou despontada com a resposta, contudo ele estava sendo honesto. Por que ele se apaixonaria por ela?
— Também ficarei comprometido por um ano. E como já disse, imponha suas condições.
Eles se entreolharam, medindo forças. Havia uma peculiar tensão elétrica entre eles. Como se estivesse prestes a provocar um incêndio. Ele a perturbava, e era tão bonito. Melhor admirá-lo do que conversar. O silêncio se prolongou indefinidamente.
Zac a observava sem entender toda aquela relutância. Como era difícil convencê-la. Tanto quanto fora convencer a Reese a morar no rancho. Mas ele venceria sua resistência. Oferecera-lhe muitas vantagens. Ela mordia o lábio e o encarava. Parecia que ia ceder.

---------------------------------
Olá amores estou de volta, desculpem não ter postado ontem!!
A partir de hoje eu tentarei postar dia sim dia não e nos dias que postar procurarei
postar dois capítulos pra compensar....
Hoje creio que não dará tempo de eu postar mais um, mas amanhã bem cedo eu posto o que está faltando hoje além de mais 2 capítulo (caso vcs comentem....)
Então comentem bastante!!
Obrigada pelos comentários.... ♥
Até qlqr momento....
Beijooos!!

4 comentários:

  1. A Nessa tá louca pra aceitar, hahaha
    E eu tô amando essa fic ♡♡♡
    Posta mais amr, xoxo

    ResponderExcluir
  2. Posta mais , to amando bjs bjs

    ResponderExcluir
  3. Ela ja se apaixonou por ele por isso reluta tanto pra aceitar espero q ele se apaixone logo por ela tbm e ele tem razao a Nessa vai ser uma mae incrivel
    Xoxo

    ResponderExcluir
  4. Ela ja se apaixonou por ele por isso reluta tanto pra aceitar espero q ele se apaixone logo por ela tbm e ele tem razao a Nessa vai ser uma mae incrivel
    Xoxo

    ResponderExcluir